Papel ou plástico?



Acho que esse é um ótimo exemplo de como ações individuais podem ser mais efetivas que aquelas realizadas por governos ou corporações.

Enquanto no Brasil as sacolinhas de plástico aindam reinam soberanas nos supermercados, nos EUA e na Europa elas já são vistas com maus olhos. Por pressão dos ambientalistas, da população e até do governo, supermercados vêm procurando alternativas para oferecer aos clientes, como sacolinhas biodegradáveis, cobradas à parte ou então, de papel.

Porém, ao contrário do mito popular, sacolas de papel são menos sustentáveis do que as de plástico, pois consomem mais energia em sua produção e são mais pesadas (o que encarece o transporte). Sua única vantagem é o fato de que o papel pode ser usado na compostagem, ao contrário do plástico.

Isso nos leva à questão que levantei no início do post: a solução para o problema das sacolinhas plásticas não vai vir “de cima”, e sim, de dentro da consciência de cada um. Leve a sua sacola retornável para o supermercado, coloque as compras na mochila ou numa mala, tenha sempre uma sacola extra no porta-malas. Essa sim é a única embalagem “verde” que existe.

O que tem se feito ao redor do mundo:

Exemplos que o Brasil deveria seguir:

  • Estados Unidos – A cada ano, o país utiliza cem bilhões de sacolas plásticas. Em San Francisco (Califórnia), foram substituídas pelas de papel reciclado. Outra saída encontrada foi usar goma de milho e de batata como matéria-prima para fabricar a embalagem.
  • Bangladesh – Por favorecer entupimentos em redes de drenagem pluvial, a sacola plástica foi proibida. A medida contempla a fabricação, comercialização e uso
  • Irlanda – O governo criou imposto específico para inibir o uso. Com a medida obteve redução de 90%. O recurso arrecadado é destinado às ações de proteção ambiental.
  • Taiwan – Lojas são proibidas de oferecer sacolas grátis para o cliente, fregueses, sob pena de multa.
  • África do Sul – Governo proibiu o uso e redigiu penas de multa e prisão.
  • Índia – Para impedir a ingestão e morte de vacas (animal sagrado), alguns Estados proibiram a produção, estoque, uso, venda e distribuição. Há prisão e multa para o infrator.
  • Europa - Em muitos países como na França, as sacolas são cobradas à parte, e é muito comum ver as pessoas levando malas de rodinhas para o supermercado.
  • Austrália - Apesar de serem distribuídas gratuitamente, os supermercados fazem campanhas de conscientização entre seus clientes.
FONTE: Mude o mundo

1 comentário:

Cíntia Maciel disse...

Oi querida amiga !

Passei para dar uma espiadinha e te desejar boa noite !

Ah! Sua visita no meu blog é sempre bem vinda !!!!!

Beijos no seu coração ...