JARDIM DAS LETRINHAS


Era uma vez um jardim.
Não era um jardim qualquer.
Era um jardim diferente.
Nele ao invés de flores, nasciam letrinhas. Muitas letrinhas.
Todas muito vivas e alegres. Todas, não. Nem todas...
Haviam um grupo de letrinhas que estavam muito tristes. Elas passavam o tempo todo num cantinho do jardim de cabeça baixa e com muita vergonha de olhar os amigos.
Essas três letrinhas não conversavam entre si e nem com as outras letras.
Foi então que a letra A, muito faceira, rebolando-se toda, foi até elas e sem perda de tempo, perguntou:
_Porque essa tristeza, vocês não são felizes?
O B se aproximou e disse:
_Isso mesmo. Porque tanta tristeza?
O C que ouviu tudo respondeu:
_Acho que eles não querem ser nossos amigos...
Foi então que o D se aproximou junto com o E, e disse:
_Deixa eles. Se não querem conversar, vamos respeitar.
_É, disse o E. Vamos então pular com o G.
O G de mãos dadas com o H foi logo dizendo:
_Eu, por mim, não me importo. Somos muito felizes, não é H?
O J foi logo se justificando:
_Eu poderia estar aqui de mãos dadas com o I, mas ele está lá, muito triste e ninguém sabe o porque.
O K e o L, também não sabiam o porque do seu amigo M não querer brincar com eles e só balançaram a cabeça desconsolados.
O N, o O e o P se atreveram a perguntar:
_Vamos amigos, falem.
_Digam por que...
_ É, digam o por que dessa tristeza.
O Q só se aproximou e disse:
_ Que coisa... Que coisa!
O R e o S, disseram em conjunto:
_ Sorriam. Vocês estão sendo filmados.
A brincadeira não deu certo. As três letrinhas ficaram ainda mais tristes.
O T, indignado falou:
Basta, gente. Vamos respeitar nossos amigos, eles não querem falar.
O U e o V, que eram bastante parecidos, chegaram pulando com as duas pernas para cima. Eles eram malabaristas e gostavam disso.
_ Vamos, amigos! Conte-nos qual o motivo de tanta tristeza?
E olhando para o X, o Y e o Z, foi logo chamando:
_ Venham, amigos. Quem sabe eles falam o que está acontecendo, quando estivermos todos reunidos.
Foi ai que ouviram uma voz muito baixa que dizia:
_Esperem por mim. Esperem por mim. Era o W.
_Iam esquecendo de mim?
Todos olharam, mas ninguém escutou mais nada pois o F começou a chorar.
_ Calma, amigo. Calma. Não chore, nos conte apenas o que está acontecendo. Faou o A.
O M apenas balançou a cabeça e o I muito magrinho e quase sem forças começou a falar: 
_O F acha que nós três juntos formamos uma palavra muito triste, portanto não podemos ser alegres.
Que bobagem, gritou o A. Que palavra é essa, afinal?
_ É a palavra FIM, disse o M.
Foi então que o F, secando suas lágrimas com um lencinho muito pequeno, disse:
_ Pois é amigos. Que palavra triste é essa. Não tenho nem coragem de repetir.
_ Que bobagem, disse o B.
_ Não é, não. Disse o F. Ouçam só . E fez uma lista: Fim de namoro. Fim de carnaval. Fim de ano. Fim do mundo... Tudo acaba com a palavra FIM.
O A que era sempre muito alegre e que vivia tirando experiências positivas de tudo, foi logo dizendo:
Meu amigo F, você está enganado. A palavra FIM pode ser tão alegre, quanto qualquer outra, ou até mais. Escuta. E foi fazendo sua lista: Fim da doença. Fim da prova. Fim da fome. Fim da miséria. Fim dos roubos. Fim do Inverno (para quem não gosta). Fim das guerras...
Foi então que o F, olhou para o I e para o M e repetiu pausadamente:
_ Fim...das...Guerras! Que bonito isso!
Acho que formamos um belo trio. Gostei.
O F deu a mão aos amigos e começou a gritar:
_ Fim das guerras. Fim das guerras.
O A novamente falou:
_ Que bom que tudo acabou bem. Na sua tristeza, o F nem percebeu que é ele que começa uma das palavras mais bonitas da nossa língua.
_ Qual, disse o Q?
O A, muito sorridente, respondeu:
_FELICIDADE.


COMO CONTAR A HISTÓRIA
Coloque os alunos ao teu redor, num carpete, tapete ou lençol. Na sua frente, um jardim de isopor pintado de verde com capim de papel crepom. Pode enfeitar com pedrinhas de isopor pintadas de marrom ou pedrinhas reais.
As letras podem ser de E.V.A ou papel grosso (caixinhas) em formato de flor ou apenas no formato da própria letra coladas em palitos de picolé, de churrasco ou de garrafas PET (verdes) cortadas ao comprido.
Vá contando a história e vá fincando as letrinhas no jardim (isopor).
Depois as crianças podem levar as letrinhas para casa como lembrancinhas do dia da alfabetização.
Crie outras atividades com as letras, como:
- separação de sílabas,
- formação de palavras,
- seqüência alfabética,
- lista de palavras que comecem com determinada letra,
- formação dos nomes dos alunos.






Image Hosted by ImageShack.us

1 comentário:

Pedagoga Tatiana disse...

Adorooo suas postagens amiga!
Parabéns!
bj